Cultura

Secretaria de Cultura e Câmara Legislativa fazem audiência pública para debater futuro das bibliotecas

Da pauta do encontro consta a construção de um sistema em rede, sintonizado com o século XXI

Vistos

A população de Brasília é a principal usuária de bibliotecas públicas no país, segundo recente pesquisa privada “Cultura nas Capitais”. O governo do Distrito Federal, por meio da Secretaria de Cultura (SEC), quer saber o que a população pensa sobre como revitalizar e aprimorar a rede de equipamentos da capital, que possui 26 bibliotecas em 21 das 31 Regiões Administrativas, frequentadas por um público que, em 2018, atingiu a casa de 300 mil pessoas.

Com isso em vista, a SEC, em parceria com a Câmara Legislativa do DF, realiza a audiência pública “Implantação e fortalecimento das bibliotecas públicas no DF” na próxima terça-feira (16). O debate acontecerá na Comissão de Educação, Saúde e Cultura da CLDF e visa subsidiar a elaboração de políticas públicas para o setor.

Segundo o subsecretário de Patrimônio Cultural, o bibliotecário Cristian Brayner, o evento é fundamental para a definição dos parâmetros que devem orientar a construção de uma rede interligada de bibliotecas, com vistas a prestar melhor serviço ao exigente público da capital federal. Ele acredita que a frequência de usuários nas bibliotecas está ligada não só ao poder aquisitivo per capita da população, o interesse pelos concursos públicos, mas também pela qualidade do sistema de consulta e empréstimo de livros.

Brayner, que lembrou que neste dia 8 de abril é comemorado no Brasil do Dia da Biblioteca, criado por decreto em 1980, revelou que o governo do DF quer dar de presente aos usuários da capital, no aniversário de 60 anos, em 2020, um moderno sistema interligado de consulta e empréstimo. Para tanto, as bibliotecas passarão a operar dentro de uma plataforma digital com software livre neozelandês (Khoa), a partir do qual será possível verificar a disponibilidade de títulos, quantidade de exemplares, retirá-los e devolvê-los na biblioteca mais conveniente.

“O sistema vai nos possibilitar otimizar os espaços, evitando a duplicidade de acervos e lacunas importantes, no sentido de contemplar o conjunto de leitores e estudantes, de crianças a pessoas da terceira idade, donas de casa e concurseiros”, explica.

Para o aperfeiçoamento desse sistema, é fundamental que os diversos profissionais envolvidos e públicos interessados em bibliotecas participem da audiência pública do dia 16. “Essa audiência será o pontapé inicial para a Secretaria da Cultura, com o apoio dos deputados e da sociedade civil, tirar do papel o Decreto  17.684, de 1990, que criou o Sistema de Bibliotecas do DF. Desse modo, as bibliotecas públicas de nossas cidades estarão sintonizadas com o século XXI”, acredita Brayner.

 

Serviço

Audiência Pública “Implantação e fortalecimento das bibliotecas públicas no DF”

Plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal

Setor de Indústrias Gráficas – Central, Brasília

Dia 16/04, às 10hs

Késia Paos
o autorKésia Paos
Coordenadora de Jornalismo Local
Jornalista da rádio Ativa FM

Deixe uma resposta

WhatsApp #ZAPATIVA