Saúde

Dengue deixa Brasília em sinal de alerta

Vistos

Por: Joana Darc Melo

Todo ano é a mesma coisa. As chuvas de verão e final de verão aceleram a proliferação do mosquito Aedes Aegypti e deixa a cidade sujeita a Dengue e demais doenças provenientes de seu contágio.

No início do ano o GDF, anunciou uma força tarefa com uso de drones para identificar possíveis focos em toda a região do Distrito Federal, inclusive em lotes particulares que estejam fechados e/ou abandonados.

A medida no entanto não impediu o crescimento no número de notificações de casos de dengue em várias regiões administrativas . Somente neste mês de fevereiro a Secretaria de Saúde registrou mais de 600 casos no DF e faz um alerta a população.

O alerta da Secretaria de Saúde não é para menos. Além do número de registros de casos de Dengue terem aumentado, neste ano pelo menos três pessoas já morreram. Em boletim divulgado no site da Secretaria , o aumento de casos registrados de Dengue no DF, chega a ser preocupante.

Comparando com o mesmo período do ano passado os casos mais que dobraram. As regiões compostas pelas cidades Jardim Botânico, Itapoã, Paranoá e São Sebastião, somaram o maior número de ocorrências: 180. Em segundo lugar ficou a região que abrange Fercal, Sobradinho I, Sobradinho II e Planaltina. Já Samambaia, Recanto das Emas, Aguas Claras, Taguatinga e Vicente Pires tiveram 80 notificações ao total. Ainda de acordo com a Secretaria, a cidade do Recanto das Emas teve um aumente significativo. Saltou de uma ocorrência no ano passado para 19 até o mês de fevereiro deste ano.

Além da fiscalização por meio de drones, o governo tem outras ações de prevenção como O “Escola sem dengue”, que mira as escolas objetivando conscientizar alunos, pais e professores, “ #Todos contra o mosquito”, do Ministério da Saúde , “Sexta sem Mosquito”, que consiste em fiscalizar os órgãos públicos em busca de foco, sempre as sextas feiras depois do expediente, entre outras atividades de controle e prevenção.

O período de chuva traz também outras preocupações. A água das chuvas que formam as enxurradas podem trazer insetos e animais peçonhentos como cobras, ratos e escorpiões entre outros. Então, pra quem mora perto de terrenos baldios, ou com mato em volta deve tomar cuidado. Manter quintais limpos, sem acúmulo de lixo, sacos e copos plásticos são cuidados
básicos.

Combater a Dengue também é combater a Zika e a Chikungunya. As doenças são transmitidas pelo mesmo mosquito. Eliminando uma, eliminamos as três. A Zika fez suas primeiras vítimas no Brasil em 2015, mas existe desde 1947 no Continente Africano e hoje já são mais de setenta países onde o vírus se instalou. A Chinkungunya é uma versão inflamatória da Dengue.

Os sintomas entre as três moléstias são parecidos e devem ser tratados tão logo se apresentem:

Dengue
 A infecção por dengue pode ser assintomática, leve ou causar doença grave, levando à morte.
 Febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de Dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele.
 Dengue hemorrágica causa dores abdominais, sangramento de mucosas, vômitos Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns.

Sintomas de Zika Vírus
 Febre baixa (entre 37,8° e 38,5°C)
 Dor nas articulações (artralgia), mais frequentemente nas articulações das mãos e pés, com possível inchaço.
 Dor muscular(mialgia)
 Dor de cabeça e atrás dos olhos.
 Erupções cutâneas (exantemas), acompanhadas de coceira.

Chikungunya apresenta os sintomas abaixo
 febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele.

Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas. Fique de olho em qualquer um desses sintomas. Ao primeiro sinal, procure um posto de saúde mais próximo de sua casa. Todo cuidado deve ser considerado. As três manifestacões do contágio pela picada do Aedes Aegiltys podem levar a morte.

Késia Paos
o autorKésia Paos
Coordenadora de Jornalismo Local
Jornalista da rádio Ativa FM

Deixe uma resposta

WhatsApp #ZAPATIVA