CidadeEsportesNoticias

Alunos e professores do centro olímpico de Samambaia recebem certificado da ONU

(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
Vistos

O projeto Vamos Nessa do Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC) que impactou cerca de 400 crianças e jovens de vários Centros Olímpicos e Paralímpicos do Distrito Federal, inclusive de Samambaia,  concedeu aos alunos e professores dos 12 centros olímpicos e paralímpicos do Distrito Federal um certificado de conclusão da capacitação.

O treinamento do projeto da Organização das Nações Unidas (ONU) foi desenvolvido no segundo semestre de 2017, por uma equipe internacional que utiliza o esporte como ferramenta de prevenção à criminalidade e à violência contra crianças e adolescentes.

A entrega dos certificados ocorreu nessa segunda-feira (2), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, com a presença dos participantes – cerca de 100 estudantes e 30 educadores. A partir dessa formação, os professores podem ser multiplicadores do processo, tanto para outros docentes como para novos alunos. “Nossa intenção é que se torne uma prática regular na grade curricular da secretaria [do Esporte, Turismo e Lazer]”, ressaltou Nívio Nascimento, coordenador da Unidade de Estado de Direito do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes, da ONU.

Os Centros Olímpicos de Samambaia, Ceilândia (Parque da Vaquejada e Setor O), Estrutural, São Sebastião e Santa Maria foram os que receberam maior ênfase do projeto. Uma das professoras que mais se destacou na iniciativa e foi convidada para ir ao Rio de Janeiro no ano passado para compartilhar experiências com educadores de outros países atendidos pelo UNODC foi Juliana Lucena, que integra a equipe pedagógica da Fundação Assis Chateaubriand na unidade do Setor O.

Para Leila Barros, secretária de Esporte, Turismo e Lazer do DF, o mais importante dessa parceria foi a mobilização da juventude dentro dos Centros Olímpicos. “Esse público costuma ser o mais assediado quando o assunto é drogas e violência. Eles são as maiores vítimas. As pessoas focam muito no esporte como rendimento, mas a gente sabe que o esporte é educação, são valores, formação e pode ser um aliado nessa prevenção. Esse é o intuito da parceria. Fico muito feliz de vermos hoje os primeiros frutos e perceber como todo mundo abraçou esse projeto e ele está aí, se consolidando com os primeiros certificados.”

O estudante Saul Olifer de Melo, 13 anos, aluno do Centro Olímpico e Paralímpico de Samambaia, conta que as atividades trouxeram bastante experiência. “Foi muito bom no sentido de colaborar com as amizades, respeito mútuo e solidariedade. As drogas são um vício da própria cabeça. As pessoas que não conseguem distinguir a vontade e a necessidade não sabem parar. A mente pode ser fraca, pode faltar ajuda dos pais, dos irmãos, dos familiares”, ressalta o jovem.

Deixe uma resposta